1997: Prisma. Um computador para o ouvido

Por três décadas de melhoras gradativas, uma nova era na tecnologia de aparelhos auditivos teve início em 1997: a Siemens lançou seu aparelho auditivo Prisma, o primeiro aparelho auditivo completamente digital com dois microfones do mundo, que automaticamente se ajusta de acordo com a situação auditiva. Desde estar em um estádio de futebol até entrar em um carro ou em uma conferência, os processadores eliminam o ruído indesejado e ajustam o volume em milisegundos. Os benefícios da tecnologia digital já foram aparentes durante o estágio de adaptação, quando os técnicos foram capazes de usar o software para amplificar os sinais insuficientes nas faixas de frequência danificadas.

 

1997

Variedade de produtos, 1997

Cerca de 18,000,000,000,000,000,000 – ou, de um modo diferente, 18 quintilhões – era quase ilimitado o número de diferentes configurações possíveis com os aparelhos auditivos Prisma. Mas havia uma boa razão para essa grande variedade, já que a percepção auditiva individual é praticamente única. A probabilidade de duas pessoas terem a mesma percepção auditiva é quase que a mesma de encontrar alguém com suas mesmas digitais. Naturalmente, não é necessário experimentar todos os 18 quintilhões de configurações individuais. Os especialistas mediram as características individuais dos pacientes e usaram o software desenvolvido para ajustar o aparelho auditivo de acordo com as preferências de cada usuário.

Um aparelho auditivo digital não torna simplesmente o ambiente mais alto. Do contrário, ele detecta a situação, filtra o ruído indesejado, e especificamente amplifica a fala. A Siemens chama essa tecnologia de “processamento sensível de fala”. Os aparelhos auditivos Prisma suportam esse sistema com um novo recurso técnico, o Sistema TwinMic. Ele possuía um microfone direcional focado na escuta e um omnidirecional para receber todos os outros sons; o usuário era capaz de trocar facilmente entre os dois microfones. Outros dispositivos, como um CD player ou um tocador de fita podiam ser plugados à entrada de áudio do aparelho.

Com esses benefícios, o Prisma permanecia fácil de ser manuseado, confortável ao ser utilizado e discreto. Pacientes com perda auditiva eram capazes de escolher entre várias configurações dependendo de suas preferências e necessidades: O Prisma CIC (Completely in the Canal – usado completamente no canal auditivo) era pequeno, adaptado completamente dentro do canal auditivo e praticamente invisível para os outros. Outras versões variavam no tamanho e recursos. Um portfólio de novas cores acompanhava o aparelho auditivo Prisma BTE para que o usuário pudesse escolher aquele que mais agradava de acordo com seu tom de pele.