X

Perda Auditiva e Realidade Virtual

O filme Jogador Número Um se passa em um futuro próximo em que as pessoas passam seu tempo com os olhos e ouvidos conectados ao OASIS, um vasto mundo digital no qual eles fazem compras, trabalham e jogam. Enquanto ficção científica, o OASIS e outros cenários virtuais introduzidos anteriormente em filmes como Matriz e Tron parecem mais possíveis do que nunca. Afinal, muitos de nós já estamos grudados em nossos computadores e celulares na maior parte do dia, então não será uma grande mudança.

Mas na medida em que a realidade virtual se torna mais presente em nossas vidas, como ela irá impactar pessoas com perda auditiva? Elas poderão participar disso, ou serão deixadas para trás?

Realidade virtual para todos

No filme Jogador Número Um, os criadores do OASIS fizeram questão que o acesso ao mundo virtual custasse apenas 25 centavos, para que todos pudessem aproveitar. Felizmente, os desenvolvedores da realidade virtual dos dias de hoje estão trabalhando para fazer com que suas soluções sejam inclusivas para todos, até para aqueles com perda auditiva.

Considerando que a realidade virtual utiliza o som tanto quanto a visão, desenvolvedores já têm diversas opções para pessoas com audição limitada. Por exemplo, legendas de falas em tempo real permitirão que pessoas com perda auditiva entendam e interajam com outras instantaneamente. Desenvolvedores também estão expandindo o uso de vibrações e feedback tátil (estimulação do sentido do tato), para que pessoas com perda auditiva não percam nada da experiência multissensorial do mundo virtual.

Além disso, luvas especiais que capturam movimentos de linguagem de sinais foram criadas, permitindo que pessoas com perda auditiva severa ou total possam se comunicar com seus colegas virtuais. Também existem intérpretes virtuais de língua de sinais que podem traduzir as falas para fazer com que a comunicação seja mais fácil e acessível para quando um intérprete humano não estiver disponível.

Aprimorando as pesquisas de perda auditiva

Realidade virtual também abre novas possibilidades nas pesquisas sobre perda auditiva, como demonstrado pelo Hospital de Pesquisa Boys Town, em seu estudo sobre perda auditiva e seu impacto sobre crianças na escola. Como a condução de experimentos em uma verdadeira sala de aula acaba tendo uma certa falta de controle, os pesquisadores utilizaram realidade virtual. Com uma sala de aula virtual, os pacientes colocavam um headset e ficam imersos em um cenário de sala de aula realista, fazendo com que eles se sentissem mais confortáveis e resultando em testes auditivos mais confiáveis sobre situações de ruído.

O futuro da perda auditiva e da realidade virtual

Enquanto mundos completamente imersivos de realidade virtual vistos em Jogador Número Um ainda estão um pouco longe, a Signia já está construindo este campo em crescimento. Por exemplo, nosso aplicativo myHearing App™ permite que pacientes conversem cara a cara com seu audiologista remotamente e tenham seus aparelhos auditivos ajustados sem sair de casa. Conforme a realidade virtual continua avançando, nós encontraremos novas formas de alavancar o campo de saúde auditiva e ajudar mais pessoas a receber os melhores benefícios de seus aparelhos auditivos.